THB: "Mercado brasileiro é pouco preparado para assumir riscos de mineradoras"

Os últimos anos não têm sido fáceis para o setor de seguros de mineração. As atividades do segmento, sejam as operacionais ou as de responsabilidade civil, vêm encontrando dificuldades de transferência de riscos tanto para minas a céu aberto (open pit) como para as que se encontram em subsolo (underground). O fato se intensificou com os incidentes de rompimento das barragens de Brumadinho, Mariana entre outros e mais recentemente com a pandemia que interrompeu diversos projetos na área. Grande parte dessa dificuldade ocorre porque são poucas as corretoras e seguradoras que apresentam condições de auxiliar estes clientes adequadamente e de assumir riscos complexos como equipamentos pesados, móveis ou fixos, possibilidade de desmoronamento de taludes ou de túneis, incêndios ou explosões em subsolo, ou explosões por falha quando de detonações inesperadas. No entanto, em casos específicos com qualidade excepcional de riscos e sinistralidade quase nula por décadas é possível renovar as apólices, mas elas não escaparam do aumento das taxas, que nos últimos anos foram corrigidas entre 25% e 30%. A THB, tem entre seus clientes mineradoras e vem conseguido transferir os riscos dos clientes por meio de apresentação de relatórios minuciosos elaborados a partir de inspeções rigorosas, enfrentando com bom desempenho as dificuldades do mercado. “Inspeções rigorosas,  avaliações das políticas de prevenção de riscos e dos programas de manutenção,  avali