Lideranças apontam união do mercado de seguros para retomada e novos desafios

Abertura 22º Congresso Brasileiro dos Corretores de Seguros evidenciou atuação dos corretores de seguros durante a pandemia e cenário de boas perspectivas - A abertura do 22º Congresso Brasileiro dos Corretores de Seguros, evento realizado em parceria pela Fenacor e o Sincor-SP, lotou o auditório do Royal Palm Hall, em Campinas-SP, nesta quinta-feira (03/03). Cerca de duas mil pessoas vacinadas e testadas participam do primeiro congresso da categoria após a pandemia da Covid-19, que seguiu todos os protocolos de segurança.

Na solenidade, estiveram o presidente da Fenacor (Federal Nacional dos Corretores de Seguros), Armando Vergílio; o presidente do Sincor-SP (Sindicato da categoria em São Paulo), Boris Ber; o superintendente da Susep (Superintendência de Seguros Privados), Alexandre Camillo; o presidente da CNseg (Confederação Nacional das Seguradoras), Márcio Coriolano; o presidente da ENS (Escola Nacional de Seguros) e deputado federal, Lucas Vergílio; o presidente do IBRACOR (Instituto de Autorregulação da Corretagem de Seguros), Joaquim Mendanha de Ataídes; e o prefeito de Campinas, Dário Saad.

“Este é o nosso evento da retomada, do reencontro, do recomeço e da fraternidade, dois anos após o primeiro caso confirmado de Covid-19 no Brasil. Aqui, hoje, começa uma nova era, que, tenho convicção, traz muitas expectativas para todos nós. É um marco histórico!”, destacou Armando Vergílio, presidente da Fenacor. “Estamos, sim, saindo da pandemia e, creio eu, ainda mais fortalecidos, resilientes e preparados para atender e proteger a sociedade, amparar as famílias, assegurar a continuidade dos negócios, prover um futuro seguro e tranquilo para todos. Poucas categorias podem se orgulhar tanto quanto os corretores de seguros do que têm feito ao longo da mais séria e grave crise na saúde pública da nossa história. A sociedade, hoje, já nos vê e nos percebe como os agentes do bem-estar social e do desenvolvimento econômico”.

Armando também apontou que pesquisas recentes evidenciam o desejo da população pela assessoria, consultoria, conselhos, orientações e atendimento dos corretores de seguros. “As pessoas e os empresários nos procuram e nos ouvem antes das decisões, porque sabem que, dessa forma, estão garantindo a proteção de suas famílias ou dos seus negócios”. E comentou sobre o momento propício para o desenvolvimento da atividade. “A Susep, hoje, é comandada por pessoas que conhecem o mercado, que têm a exata percepção das reais necessidades de cobertura e proteção da sociedade e, sobretudo, respeitam e prezam o diálogo”.

E também a Fenacor se prepara para uma nova gestão. “A Fenacor estará pronta e preparada para iniciar um novo ciclo, reenergizada e rejuvenescida e também fortalecida, através de uma nova e modernizada gestão colegiada, participativa e descentralizada, com a necessária reestruturação do modelo de governança e da atuação nacional e regional do seu ecossistema de representação. Essa nova forma de atuação resultará ainda na formulação de uma agenda positiva. propositiva, junto ao governo, ao congresso e a sociedade civil organizada”, garantiu.

Segundo ele, a troca de experiências, deixará os corretores aptos para enfrentar juntos os grandes desafios de uma sociedade em permanente evolução. “Temos que ter determinação, audácia e principalmente coragem para mudar. Quero, então, concitar e conclamar todos os corretores e corretoras de seguros para entoarem com coragem e orgulho o mantra que deve pautar nossa visão e atuação: ‘Eu cuido, eu amparo, eu protejo. Eu sou o melhor, mais eficaz e mais eficiente meio e modelo de distribuição de seguros que existe!”, enfatizou.

O presidente do Sincor-SP, Boris Ber, ressaltou a satisfação de, após 23 anos, ter de volta o Congresso Brasileiro dos Corretores de Seguros no estado de São Paulo – o último foi realizado na capital em 1999. “E agora temos a oportunidade de prestigiar de maneira inédita o nosso interior, que também tem uma força muito grande na produção de seguros do Estado e, consequentemente, do Brasil”, disse.

Representando a entidade coanfitriã, Boris comentou que fazer este evento em parceria com a Fenacor também reforça a importante fase de bom relacionamento com todas as instituições do mercado. E que a retomada dos eventos presenciais traz grande emoção. “O congresso nesse momento tem um significado especial. É um congresso maduro, muito bem pensado, desafiador de todos os ventos que vinham em sentido contrário, mas nós estamos aqui. Nós, corretores de seguros, somos resilientes, provamos isso mais uma vez durante essa pandemia cumprindo o nosso dever de levar proteção à sociedade no momento em que mais precisou”.

Para Boris, é muito importante a qualificação para acompanhar o mundo em aceleradas mudanças. “E estamos a postos. Nós não temos medo de desafios, não temos medo de adversidades, tanto é que nós estamos aqui, preparados para mais um congresso. Um grande congresso”.

O presidente do Ibracor, Joaquim Mendanha corroborou que este momento de retorno é uma mistura de alegria, emoção, respeito pelas perdas que todos tiveram, mas também é momento de aprender. “Não tenham dúvidas que nós, corretores de seguros, mostramos cada vez mais a nossa importância na proteção, o mercado de seguros se apresentou à sociedade durante a pandemia, isso é o mais importante. Vamos sim celebrar a vida e os novos desafios que virão”. E destacou o trabalho para garantir a segurança de todos. “Já estive na organização de um congresso e sei que não é fácil, mas um primeiro congresso de corretores de seguros pós Covid não é para qualquer um. Parabéns à diretoria da Fenacor por nos dar a oportunidade de estamos aqui juntos”.

O presidente da CNseg, Marcio Coriolano, destacou que já estamos no último mês do primeiro trimestre, e vislumbramos agora os imensos desafios do país e do mercado de seguros neste ano, mas com muita confiança, determinação e esperança. “Os dois últimos anos nos colocaram todos à prova. E entendo que respondemos adequadamente e tivemos muitos avanços – tomo a liberdade de falar aqui sempre no plural: corretores e seguradores”, disse.

“Depois de um crescimento nominal de atividades de 1,3% em 2020, fomos para um crescimento de 11,9% em 2021. ou um crescimento real de 3,3%. Ainda muito aquém do que a sociedade merece, é verdade, porém melhor do que outros setores da economia. Porque assim quis a sociedade, enxergando a proteção dos seguros como um abraço solidário e eficaz em todo esse período”.

“Vamos, de novo no plural, olhar para a frente, como sempre fazemos. Somos um setor dinâmico, solvente e moderno. Temos união das lideranças e equipes de primeira linha, podemos, sim, incorporar mais gente para a proteção dos seguros, é a nossa missão. E nos anima que temos neste ano um novo superintendente da Susep, Alexandre Camillo, que tem toda a liderança, experiência, qualificação, espírito público e clareza de propósitos para a sua missão. Ele terá a sua já declarada diretriz de cooperação de todos os elos da cadeia de valor do nosso mercado como elemento fundamental a favor do fomento e da sustentabilidade, que também declarou, e de aproveitar e revisar o legado que recebe no mesmo sentido, olhando, de novo, para a frente”, disse o representante das seguradoras.

Alexandre Camillo, superintendente da Susep, disse que o tema do evento “O setor de seguros e o corretor, realidade e perspectivas” representa momento de boas mudanças ter ele, um corretor de seguros (agora licenciado), à frente da Susep. “Isso se traduz em uma conquista para o setor, relevante para todos os participantes, mas especialmente para os corretores de seguros. Se traduz em interlocução, essa é minha característica, minha vocação: conversar, ouvir, desenvolver ações frutos desses entendimentos, com o despojamento de jamais ser o dono da razão. O dialogo está estabelecido e considero uma conquista para o setor. Além disso, a experiência de 41 anos que acumulei no setor de seguros também é uma conquista por termos alguém nesta posição que entenda nossas dores, necessidades, anseios, desejos e saiba quem é o ‘rei’ disso tudo, que é o consumidor”.

Nessa conquista, ele agradeceu a articulação do deputado federal Lucas Vergílio. “Em um estado democrático que felizmente vivemos, tudo se faz através da política, isso não é ruim. É a mobilização politica que faz com que as pessoas sejam indicadas, escolhidas e nomeadas dentro de suas características e do que aquele momento exige. Se vivemos um momento de conquistas elencadas por mim, esse momento é graças à mobilização política desse jovem e brilhante deputado que, ao entender as necessidades que tínhamos em nossos anseios, se mobilizou junto a outras forças políticas para que eu hoje aqui estivesse como superintendente da Susep e trazendo toda essa expectativa do mercado na minha pessoa”.

O deputado federal e presidente da ENS, Lucas Vergílio, declarou ter muito orgulho de ser político no momento em que muitas pessoas desacreditam nesta ciência. “Somos um time, e através dessa união de esforços estamos hoje em São Paulo realizando o nosso congresso brasileiro no maior mercado do país. Sabemos que São Paulo tem um grande evento, o Conec, e aqui damos um sinal de união, é isso que estamos construindo nos quatro cantos do país: união de corretores de seguros”, disse. “Nós, junto com nossos seguradores, sofremos muito, formos duramente perseguidos, e estivemos durante um grande período com um órgão regulador que estava extremamente míope, não enxergava a realidade do setor, distorcia números para tentar justificar as suas atitudes, os seus posicionamentos. Infelizmente tínhamos um órgão regulador comandado por pessoas incompetentes e que não tinham a mínima condição de estar regulando um setor que representa mais de 6% do PIB nacional e que tanto contribui com as reservas e desenvolvimento do nosso país, que deveria ser muito mais respeitado pelo poder público, mas que agora corrige voltando ao órgão regulador uma pessoa extremamente comprometida com todo o setor de seguros, em fazer crescer ainda mais este setor que vem crescendo exponencialmente”, declarou.

“Temos aqui na mesa lideranças do setor que vêm liderando essa nossa união de corretores de seguros. Se não fosse por esse objetivo do presidente Armando Vergílio não estaríamos aqui hoje com tanta união e boas perceptivas, pois nós sabemos que teremos um ambiente regulatório muito mais saudável, que vai possibilitar o crescimento para o setor e nosso país”, enfatizou o deputado.

O prefeito de Campinas, Dário Saad, destacou a honra da cidade em receber o evento. “Esse congresso tem valor muito grande, é o primeiro grande evento que Campinas recebe depois desse período tão difícil. Como todas as cidades, Campinas sofreu muito com a pandemia, mas tem uma boa perspectiva nesse futuro próximo”. E mostrou sua visão como corretor. “Sempre tive muitos seguros e proximidade com corretor. O corretor de seguros é um verdadeiro consultor, alguém que vende o produto e dá assistência durante todo o período de proteção. E é esse atendimento que fez o setor crescer e ter a importância de hoje”.