Galcorr: Incêndios recentes alertam para a importância do seguro

Um incêndio em uma subestação de energia no Amapá causou um blecaute em 13 cidades por mais de 48 horas. Dois prédios pegaram fogo no Hospital Federal de Bonsucesso, no Rio de Janeiro, causando 15 mortes e interrompendo tratamentos essenciais para milhares de pessoas. Em São Paulo, galpões e fábricas de empresas também passaram por incêndios recentemente. Essas situações trágicas, podem ter seus reflexos reduzidos com uma medida simples e obrigatória para empresa: o seguro contra incêndio.

Embora prevista por lei no Brasil, esse tipo de cobertura ainda é não é adotada por grande parte dos empresários, órgãos governamentais e donos de estabelecimentos. Segundo o SINCORP-SP, apenas 25% das empresas tinham um contrato de seguro contra incêndio em 2019. No ano passado, o Brasil teve 866 ocorrências por fogo, a maioria em estabelecimentos comerciais (lojas, shopping centers e supermercados), de acordo com levantamento de notícias do Instituto Sprinklers Brasil, uma ONG dedicada à divulgação de informações relativas ao combate a incêndios.

No atual cenário de pandemia, no entanto, a preocupação com o seguro contra incêndio está aumentando. Segundo o Superintendente de Property & Casualty da corretora Galcorr, Bruno de Sousa, o regime de trabalho em home office somado à insegurança econômica dos negócios são os principais fatores que levaram ao crescimento na busca pela cobertura.

“As empresas passaram a dar uma enorme importância para o seguro contra incêndios, e pudemos verificar um crescimento de 30% na procura desta modalidade de seguro neste ano em relação ao ano passado. Com a pandemia, muitas empresas tiveram seu faturamento reduzido. Além disso, nem todos conseguiram boas negociações com fornecedores ou investimentos que garantissem o conforto necessário neste período. Para alguns administradores passou a ser ainda mais importante investir em proteção, reduzindo risco, mesmo em um cenário econômico desfavorável. Temos verificado a procura para a contratação do seguro, bem como, a consultoria para análise e eventuais melhorias nas apólices já contratadas.”, afirma o Superintendente da Galcorr.

Para Sousa, algumas famílias também repensaram a necessidade de uma apólice. “A preocupação com o seguro Residencial, juntamente ao de incêndio, cresceu porque a casa se tornou o novo ambiente de trabalho, um espaço de geração de renda para a família”.

O especialista acredita que a baixa adesão histórica ao seguro está relacionada à ausência do hábito de prevenção por parte dos brasileiros. O Superintendente acredita que alguns motivos que inibem o contrato são o desconhecimento sobre a importância de uma análise de riscos, a falsa ideia de burocracias no contrato e o receio de uma cobrança indevida.

“Algumas pessoas só fazem um seguro após uma experiência traumática. Aqueles que já passaram por alguma situação desagradável ou se preocupam com os riscos, veem o seguro como um investimento. Já os que nunca tiveram qualquer sinistro ou nunca utilizaram o seguro ao longo da vida, entendem que a apólice é um gasto. Por isso, é mais comum um seguro de automóvel, por exemplo, porque a violência é uma realidade na sociedade brasileira. No entanto, o impacto de um incêndio é muito maior. Isso deve ser lembrado”, alerta Sousa.

Bruno Sousa lista alguns cuidados que as empresas precisam ter ao fazer uma apólice de seguros, para que a cobertura seja bem dimensionada. Ele lembra ainda que a ausência destes itens pode resultar em um eventual sinistro com penalização ou perda de indenização.

“Os valores dos ativos devem considerar, além de prédios, máquinas, móveis e utensílios, as mercadorias e as matérias-primas. É importante também informar se há materiais ou bens ao ar livre, especificando a composição. Deve-se também acompanhar se as medidas de proteção implantadas estão em conformidade com a NR 23 de combate a incêndio e com as regras do Corpo de Bombeiros. As manutenções, treinamentos e testes devem ser realizadas com frequência e de maneira rigorosa”, reforça.

O Superintendente de Property & Casualty da corretora Galcorr lembra também que, para a renovação da apólice, é preciso enviar, além do citado anteriormente, tanto a sinistralidade dos últimos anos, como os protecionais de segurança patrimonial (Vigilância, CFTV, Botão de pânico, Alarme infravermelho etc.) e o laudo de inspeção realizado pela própria empresa ou por uma seguradora, se houver.


Sobre a Galcorr


A Galcorr é uma corretora de seguros e gestora de riscos especializada em property & casualty, consultoria em sinistros, linhas financeiras e benefícios. Fundada em 1993, a empresa possui escritórios em São Paulo, Rio de Janeiro e Recife. Com forte expertise na área de construção civil, a Galcorr cresceu expressivamente nos últimos anos e hoje conta com mais de 750 clientes das áreas de infraestrutura, óleo e gás, varejo, financeira, portuária, rodoviária, alimentícia e indústria farmacêutica, entre outras.


Bruno de Sousa, Superintendente de Property & Casualty da corretora Galcorr

Com informação suas decisões são mais seguras.
Agência Seg News @2019 Todos os direitos reservados

Rua Fritz Muller, 140 - São Paulo-SP Cep 02634-080 

WhatsApp: 95794-6570