Coronavírus: espiral viral

Ricos e pobres, jovens e idosos, o coronavírus está afetando a todos nós, independentemente de etnia, nacionalidade ou status social - embora em graus variados.

A economia mundial também pegou a gripe. À medida que governos em todo o mundo entram em lockdown para impedir a expansão do Covid-19, os motores do crescimento econômico estão se encaminhando a uma paralisação. Por algum tempo, de qualquer maneira.

É óbvio que as consequências da pandemia irão além da crise da saúde. O mercado de capitais já caiu. Autoridades governamentais e monetárias da Europa até a Austrália se modificaram para apoiar suas economias nestes tempos difíceis. Vários pacotes de estímulo foram lançados. Mais deles são esperados à medida que o cenário avança. O que tudo isso significa para a economia global? Não é possível ter certeza, dependendo muito de como o vírus se comporta nas próximas semanas e de quanto tempo ele ainda seguirá. No entanto, com base nas circunstâncias atuais, alguns desafios podem ser esperados - altas perdas de exportação, uma iminente "crise de reclusão" e, no pior caso, uma recessão global, segundo economistas da Allianz. Nuvens iminentes

Da Itália aos EUA e à Índia, os países reprimiram o movimento de pessoas e a maioria dos bens para impedir a propagação do Covid-19.


Para estudar o possível impacto dos lockdowns, os economistas da Allianz revisaram os dados de janeiro a fevereiro da China, que foram os primeiros a serem afetados pelo patógeno. Os dados mostraram que um mês de confinamento provocou um declínio de 13% nos gastos dos consumidores, uma queda de 20% nos investimentos e baixa de 16% nas exportações.


Isso sugere que cada mês de lockdown poderia causar uma queda de 7 a 10% no Produto Interno Bruto (PIB), que é o produto econômico ajustado pela inflação. Supondo que o lockdown tenha terminado no final de abril e a atividade normal seja retomada no final de junho - metade das perdas mensais são restauradas em maio e 80-90 por cento em junho - a cifra poderia ser alcançada no segundo trimestre.


Se os governos conseguirem controlar o contágio, a atividade econômica poderá se recuperar no segundo semestre. Nesse cenário de recuperação em forma de U, onde os níveis normais são restaurados logo após uma queda, uma recessão grave caracterizaria a primeira metade de 2020. O crescimento global pode ser de 0,8% no ano, com os EUA crescendo 0,5%, mas a Zona Euro estão enxergando uma contração de 1,8% em sua produção econômica.


Lembre-se de que 2020 tem mais agitadores de mercado pela frente - as próximas eleições nos EUA, a sequência do Brexit e uma complexa mistura de altos impostos e alta inflação, à medida que o setor público tenta recuperar sua força financeira após uma série de medidas de estímulo.


Pior cenário


Embora improvável, não é impossível que a saga do Covid-19 se prolongue pelo próximo ano ou mais. As fronteiras permanecem próximas e os países são forçados a entrar e sair dos lockdowns por um longo período.


Se esses medos se tornarem realidade, a recuperação seria em forma de L, o que significa que a economia levará muito tempo para retornar ao seu crescimento pré-coronavírus. Então, o PIB da zona do euro poderá contrair acentuadamente 4% ou mais.


Pessimismo refletido no PMI


O pessimismo prevalecente no mundo dos negócios se reflete no Índice dos Gerentes de Compras (PMI), um indicador que aponta o quanto os gerentes da cadeia de suprimentos esperam que os setores de produção e serviços se expandam, contraiam ou se mantenham inalterados.


Para a zona do euro, o PMI composto - um barômetro da saúde econômica dos setores manufatureiro e de serviços - caiu para uma baixa histórica de 31,4 pontos em março. Uma leitura acima de 50 indica uma expansão econômica, enquanto uma leitura abaixo de 50 indica contração.


O setor de serviços parece especialmente vulnerável, com o PMI de serviços indo de 24 pontos para 28,4. Os declínios recordes em novas encomendas e expectativas de produção futura, bem como o declínio mais acentuado no emprego desde julho de 2009, sugerem que claramente haverá mais sofrimento pela frente.


Mudanças estruturais


Toda crise moldou comportamentos de uma maneira ou de outra. O caos do coronavírus não será uma exceção. Os pesquisadores da Allianz jogam cinco ideias no ringue:


Investimentos no sistema de saúde: Depois de anos em segundo plano, os sistemas de saúde voltarão a ser o centro das atenções, pois o vírus enfatiza a necessidade de sistemas de saúde pública mais fortes.


Importância da China: o gigante asiático foi o primeiro a ser afetado pelo coronavírus. Devastado pelo vírus, o país não está apenas reiniciando, mas também oferecendo suporte e experiência a outros epicentros. O evento reforça a importância da China na economia global.


Localização sobre a globalização: os países se voltaram para dentro quando o vírus se espalhou e o repentino choque na cadeia de suprimentos deixou muitas empresas com problemas. As empresas podem ficar tentadas a olhar mais de perto para suas necessidades enquanto tentam minimizar as chances de tais choques no futuro.


Lidar com outros desafios: a crise pode mudar a maneira como enfrentamos outros desafios, como as mudanças climáticas, outro desafio exponencial, probabilístico e coletivo à nossa frente.


Os padrões de investimento podem mudar: poucos duvidam que o surto mude como trabalhamos, como compramos e como viajamos. O que também pode mudar é como investimos ... ou não. Isso poderia até inspirar a criação de novos produtos financeiros.



Com informação suas decisões são mais seguras.
Agência Seg News @2019 Todos os direitos reservados

Rua Fritz Muller, 140 - São Paulo-SP Cep 02634-080 

WhatsApp: 95794-6570