Certificação Digital representa 20% da receita do SincorSP e opção de novos negócios para o corretor


(*) Por: Ivanildo Sousa - Editor da Agência Seg News - Em entrevista exclusiva para a Agência Seg News, o corretor de seguros Alexandre Camillo, presidente do Sincor-SP, falou sobre as ações da entidade em relação ao incentivo e oportunidades aos corretores de seguros para a diversificação dos seus negócios. O tema central da conversa foi a ID Seguro, que reúne as Autoridades Certificadoras AC Sincor e AC Fenacor, vinculadas à ICP Brasil. E que hoje representa 20% do total de receitas da entidade, tendo como Autoridades Certificadoras em sua rede corretoras de seguros de pequeno a grande portes...



O termo empreendedorismo não foi apenas uma palavra lançada sem nenhum vínculo com os objetivos e projeto de liderança na gestão de Alexandre Camillo, que está há 08 anos no comando do Sindicato dos Corretores de Seguros do Estado de São Paulo (Sincor-SP). De acordo com ele, desde o início essa foi a premissa básica para conduzir a entidade, apoiado pela sua diretoria executiva, de sempre posicionar o sindicato como aliado dos corretores de seguros para atravessar os desafios do dia-a-dia. Uma das alternativas, em termos de empreendimento, já estava em andamento: a Certificação Digital!

Ele lembrou que o projeto teve início com o executivo Manuel Matos, que à época acompanhava em Brasília o processo de "desburocratização" e de lançamento do marco regulatório da matéria (Certificação Digital) através da Medida Provisõria 2200-2, em agosto de 2001, tendo início a criação da Infra-Estrutura de Chaves Públicas Brasileiras (ICP-Brasil), desencadeou-se o desenvolvimento do processo de Certificação Digital. "Como o Matos sempre foi um executivo "antenado" com o meio legislativo e político (Brasília), tendo sido inclusive presidente da SASSE Seguradora nas gestões de 3 presidentes (Collor, Itamar e Fernando Henrique) ele vislumbrou que, ao oferecer aos cidadãos brasileiros a segurança de uma transação na rede com a criptografia (inviolabilidade dos dados) e a legitimidade jurídica, também seria necessário "uma capilaridade", ou seja, uma forma de fazer com que as pessoas pudessem ter acesso ao novo produto", lembrou Camillo.

Sendo um profissional ligado à tecnologia e também ao mercado de seguros, Matos logo associou a oportunidade ao segmento de corretagem de seguros, que além da capilaridade também agregariam um atendimento de excelência aos consumidores potenciais. "Por volta de 2002, com a volta do Leoncio de Arruda a presidência do Sincor-SP em seu segundo mandato (2002-2010), Matos apresentou o projeto ao Leoncio que, com o seu empreendedorismo "abraçou" o processo", destacou o presidente do Sincor-SP.

Além de obter uma renda extra com a Certificação Digital, outro argumento para atrair os corretores de seguros para aderir ao processo e se tornar uma Autoridade Certificadora, era o de que a nova atividade oferecia LEAD´s, já que na medida em que uma pessoa viesse até a corretora para se certifificar, um determinado produtor poderia ofertar também um produto de seguro. "O Leoncio de Arruda acreditou nisso e o Sincor-SP fez um investimento significativo à época, iniciando um grande trabalho de convencimento dos corretores para se tornarem Autoridades de Registros e desta forma, o Sincor-SP tornou-se uma Unidade de Certificação em 2o Nível. Foi então que nasceu a AC SINCOR, que passou a formar a sua Rede.

De acordo com Camillo, hoje a Certificação Digital é uma das principais fontes de receita do Sincor-SP. "A ID Seguro representa cerca de 20% da nossa receita. Aplaudo de pé a iniciativa do Manuel Matos e do Leoncio de Arruda em implementar e desenvolver esse importante projeto, que hoje é um sucesso. As oportunidades estão aí e o investimento para se tornar uma Autoridade de Registro é muito pequeno. Essa é a visão que quero levar aos corretores de seguros, os quais tem em seu DNA uma grande capacidade na prestação de serviços", destacou ele acrescentando que a rede é formada por corretoras de todos os portes, de pequenas a grandes empresas. Em relação aos temas Pandemia e LGPD (Lei Geral de Proteção de Dados), Camillo informou que, assim como o próprio setor de seguros, também houve um aumento considerável na quantidade de certificação digital em nível de ICP Brasil, com percentual de crescimento entre 15 a 16% neste ano.


Atuação da atual diretoria foi decisiva para se chegar à ID Seguro


Ao assumir a presidência do Sincor-SP, Camillo lembra que, no seu ponto de vista, a Certificação Digital estava sendo direcionada por orientações equivocadas e como muita relevância aos aspectos políticos no sentido de motivar um corretor a ser um Agente de Registro. E, por sua vez, com menos relevância ao princípio original, que era o de ser mais uma oportunidade para que os corretores de seguros tivessem acesso à uma renda extra. Portanto, mais uma vertente no seu processo de empreendedores. "Havia um conflito interno que dificultava as ações para a expansão da nossa rede, um protecionismo que inibia o desenvolvimento e o aumento da capilaridade. Na minha visão, nos protegemos mais quando aumentamos o nosso "exercíto" e não quando diminuimos. No entanto, havia um pensamento inverso e equivocado da nossa gestão anterior em relação a este aspecto. E esse foi um grande desafio quando assumimos o Sincor-SP, ou seja, colocar em prática uma política de expansão e atrair mais corretores para a ampliação da nossa rede. Graças a Deus e ao intenso trabalho da nossa diretoria, conseguimos reposicionar a nossa AC SINCR, mesmo tendo momentos em que a nossa rede foi assediada como nunca por ser muito qualificada", disse.

Além de expandir a rede, Camillo afirmou que outro ponto importante foi a aproximação com a Fenacor, que tinha um projeto incipiente de Certificação Digital. "Consolidamos esse processo e hoje, embora em um volume menor, a AC FENACOR também é uma realidade", destacou o diretor de Certificação Digital da Fenacor, Alexandre Camillo. Hoje a ID Seguro é administrada com uma visão executiva através do gestor Camilo Nagano e conta com um Comitê Gestor formado por Alexandre Camillo, Manuel Matos, Boris Ber e Leonardo Elias (que representa Manuel Matos em suas ausências) e o próprio Camilo Nagano. Esse Comitê foi criado para analisar todos os assuntos pertinentes à Certificação Digital.

Conheça um pouco mais sobre a ID Seguro acesse o site www.idseguro.com.br



Passando o "bastão" em um momento de Grandes Desafios...


Após duas gestões (oito anos) á frente do Sincor-SP, Camillo destacou que se preparou para assumir o compromisso de ser o presidente do sindicato. "Não foi uma "combustão instantânea", não acordei um determinado dia querendo ser o presidente... Sei muito bem o que fizemos e os desafios gigantescos que passamos. Como já disse aqui, se eu valorizei a Certificação Digital por representar hoje 20% da nossa receita, imaginem que durante a nossa gestão perdemos perto de 50% da nossa receita com o fim da contribuição compulsoria do imposto sindical e do convênio de atendimento ás vítimas de trânsito no Seguro DPVAT. E nem por isso o Sincor-SP deu, sequer um cm de passo à trás, aliás fez uma das maiores e melhores representações do corretor de seguros em um momento que ela foi exigida como nunca. As demandas foram muitas e a nossa atuação incansável. Por isso, com o trabalho de toda a nossa diretoria, estamos atravessando um momento de grandes transformações, deixando o Sincor-SP mais sólido do que nunca. Com um nível de repreentatividade inconteste no setor de seguros como um todo. Com credibilidade, legitimidade e mesmo nesse período de fogo cruzado, com a marca registrada da pacificação, que é o meu DNA. Me considero um construtor de pontes", definiu Camillo.

Como presidente da entidade, Camillo disse, ao comentar sobre seu substituto, que espera que o mesmo reúna condições para assumir a presidência e que dê continuidade ao trabalho desenvolvido pela sua gestão. "Estamos deixando um bom ambiente e o caminho "pavimentado". Um presidente fala em nome de todos, e o fato de estar presidente não quer dizer que se é melhor do que todos, mas sim que pode servir a todos. Essa é a minha visão como líder de uma categoria", afirmou

Enquanto corretor de seguros, Camillo ressaltou que o seu desejo de ser substituido por alguem que reuna as qualificações citadas é maior ainda do que como Líder. "Digo isso porque eu sou corretor de seguros e sempre serei. Minha familia depende da minha atividade como corretor de seguros... Minha vida, minha visão de estabilidade financeira no futuro depende da minha corretora...Então, é fundamental que o novo presidente do Sincor-SP mantenha uma relação saudável com os demais representantes e entidades do setor. E dentro desta expectativa, vejo na pessoa do Boris Ber condições para me representar nestes dois sentidos. Não se trata de estar contra ninguém, mas a favor daquilo que, certamente será o melhor para a entidade. Ou melhor dizendo: para a categoria. Porque não lutamos pela entidade, mas sim pela categoria. Não tem como existir uma entidade forte composta por uma categoria combalida, esfacelada. Lutamos pelo desenvolvimento do corretor de seguros, pois somente desta forma o Sindicato também estará bem. Somado a isso, nesse processo de muito trabalho, Boris Ber sempre esteve ao meu lado, assim como a toda a Diretoria Executiva. Ele também sabe sobre os nossos desafios e as condições em que se encontra o Sincor-SP. Muito diferente do que recebi", finalizou o Presidente.(Por: Ivanildo Sousa - Editor da Agência Seg News)