“A Democratização dos serviços de assistência”

(*) Por Newton Queiroz, CEO da EABR e da CEABS Serviços - Com as transformações ocorridas nos últimos dois anos por conta da pandemia,entender as vontades e desejos dos consumidores se tornou um grande desafio. O perfil e os interesses dos clientes mudaram, e com isso o ramo de serviços também precisou se reinventar para oferecer soluções que levem facilidade, comodidade e inovação.

Com mais tempo em casa, as prioridades foram mudando e, com isso, os serviços de assistências foram ganhando relevância. O mercado segurador, que tradicionalmente oferece assistências aos segurados, vem acompanhando este movimento e cada vez mais investe em serviços adaptados às necessidades atuais. Afinal de contas, acredita-se que cerca de 50 milhões de pessoas não tem acesso a essas soluções!

Com foco nesse cenário, ainda em 2021, a Europ Assistance Brasil (EABR) decidiu liderar o processo de democratização das assistências para a população que não possui acesso a esse tipo de serviço. Com esse objetivo, idealizamos, junto aos parceiros, as melhores formas de disponibilizar a oferta de serviços diferenciados, mas alinhados às principais demandas do segmento.

Este ano queremos estar cada vez mais em sintonia com o consumidor. Porque esse crescimento pela busca de produtos que facilitem a vida dos clientes se apresenta como uma oportunidade ideal para colocarmos em prática ideias inovadoras e transformar a realidade do setor de seguros.

Assim, entramos em uma nova fase de oferecer produtos que proporcionem ao corretor acessar clientes em diversos segmentos da sociedade, apresentando a assistência como solução para problemas reais, com custos-benefícios acessíveis, que permitam que cada vez mais brasileiros tenham acesso a algum tipo de proteção, independentemente de contarem com um seguro.

É com base nessa estratégia que em breve lançaremos o Portal do Corretor, um espaço online para que os corretores e as assessorias possam comercializar assistências, um produto complementar de proteção, que não concorre com o seguro. A nossa proposta é que a assistência seja sinônimo de comodidade, para ser usada quando o cliente quiser, e não apenas associada a um serviço emergencial.

Em nosso segmento, temos que ter claro o que é mais emergencial no dia a dia do cliente, e o que não é considerado emergencial, como o acesso a serviços de chaveiro, por exemplo. Se oferecermos o que o cliente deseja, satisfazendo sua expectativa com o acesso e a qualidade dos serviços, não tenho dúvida que seguiremos em crescimento, principalmente por oferecer produtos atraentes, tangíveis, de fácil compreensão e uso, que agregados a tecnológica irão permitir a democratização do setor.