Cláusula DDR e a atividade do transportador

A cláusula de Dispensa de Direito de Regresso (DDR), inserida nas apólices de seguros de transporte e representada por um documento denominado “carta DDR” é um instrumento comum e muito importante no dia a dia do transportador de carga. Ela formaliza a renúncia da seguradora do embarcador quanto a cobrança regressivacontra o causador dos danos indenizados ao seu segurado - proprietáriodo bem - em razão de sinistro ocorrido durante o transporte.

Na prática, o embarcador contrata o seu seguro, que garantirá os prejuízos que venha a sofrer em decorrência de perdas e danos materiais causados à carga durante o transporte, podendo incluir a cláusula DDR, pela qual a seguradoraexpressamente declarará que “não exercerá o direito de regresso em caso de sinistro coberto e indenizado por esta apólice, ocorrido durante o transporte”contra um ou vários transportadores indicados (vide cláusula específica n. 371, do clausulado padrão da Circular SUSEP n. 354/2007).

Pela regra de sub-rogação do artigo 786 do Código Civil, a seguradora, ao indenizar o seu segurado, assumirá seu lugar quanto a todos os direitos e ações podendo, assim, cobrar judicial ou extrajudicialmenteo responsável pelo dano ou, em linhastécnicas,o responsável pelo prejuízo resultante do descumprimento do contrato de transporte, ou seja, o transportador (vide artigos 730 e  750do Código Civil).

Essa dispensa de regresso, no entanto, não é ampla, geral e irrestrita. Ela comporta exceções de eficáciae a consequência disso é que otransportador, mesmo sendo seu benificiário inicialmente,será obrigado a ressarcir os danos à seguradora que indenizou ao segurado dependendo das circunstâncias em que ocorreu o sinistro.

A Circular SUSEP n. 354/2007, na cláusula específica n. 371 do clausulado padrão, não descreve quais são asexceções de eficácia deixando ao critério prático do mercado segurador, porém na prática existem três básicas: i) culpa grave, ii) dolo eiii) má-fé do transportador.

Este é o ponto central para o transportador: não agir com dolo, culpa grave ou má-fé, bem como quaisquer outras circunstâncias de exceção de eficácia constante no contrato, na concretização do sinistro fazendo valer a regra de renúncia ao regressoa seu favor.

No Tribunal de Justiça de São Paulo, por exemplo, o entendimento é pacífico:

“(...) não comprovada a existência de culpa grave – de qualquer culpa, aliás – do transportador, a cláusula de dispensa de direito de regresso é válida e eficaz. Tem-se, então, que os danos nas mercadorias se deram por culpa exclusiva da empresa segurada. Não estabelecido o nexo de causalidade, a responsabilidade da apelada [transportadora] não se patenteou, pelo que descabe o pretendido ressarcimento e regresso.” (TJ/SP-12ª Câmara de Direito Privado, Apelação Cível n. 1005711-86.2016.8.26.0008, Rel. Des. Castro Figliolia, j. 03/05/2019).

 

“Ação regressiva – Contrato de seguro – Transporte rodoviário de cargas – Avarias à mercadoria transportada – Nexo causalidade. 1. Não comprovada a “culpa grave” do transportador rodoviário, a cláusula de dispensa de direito de regresso é validade e eficaz, inexistindo o dever de indenizar(...).” (TJ/SP-21ª Câmara de Direito Privado, Apelação Cível n. 1010894-04.2015.8.26.0451, Rel. Des. Itamar Gaino, j. 23/03/2017).

Eis, portanto, a “tarefa de casa” do transportador: conhecer e bem compreender quais ascondições e as exceções da cláusula DDR que o embarcador pactuou com sua seguradora para que ele possa operar com segurança, especialmente, jamais acreditandoque ela seja uma isenção integral e absoluta para todas e quaisquer circunstâncias de sinistro ou prejuízo à cargadurante a sua operação.

Importante lembrar que a apólice do embarcador pode ter a participação de resseguro ou cosseguro, ou de ambos. Embora o transportador não tenha qualquer ligação com ressegurador ou cossegurador, é prudente conhecer se a sua seguradora do embarcador tem autorização para renunciar ao direito de regresso em nome de outros, que também garantem o seguro.Nunca é demais pontuar que o transportador tenha informação sobre quem assinou a carta DDR e saber se tem poderes para renunciar um direito de seguradora.

Dispensa de direito de regresso e obrigação de ressarcimento do transportador devem ser analisadas caso a caso, prova a prova, sinistro a sinistro, processo a processo tudo de acordo com o estipulado no seguro, especialmente, no seguro do embarcador, sem a existência de uma regra geral.

Nesta temática há, ainda, outras exceções a serem analisadase a importância de o transportador participar ativamente de toda e qualquer regulação de sinistro, o que veremos nos próximos artigos.

 

 

Please reload

Quinzena do Seguro .gif

Autoreguladoras: Susep disponibiliza Consulta Pública até 19 de Fevereiro

January 21, 2020

I Congresso Seg News de Tecnologia e Seguros (I CONSEGTECH) será realizado no La Residence Hotel

January 17, 2020

Declaração de Direitos de Liberdade Econômica: as novas regras se aplicam ao Mercado de Seguros regulado? Quando terão início as mudanças? O que esper...

January 15, 2020

CVG-SP está promovendo Curso de Atuária - Intensivo Férias

January 15, 2020

Bradesco Auto/RE é eleita a ‘Escolha Certa’ no segmento de automóveis pela Proteste

January 15, 2020

Fábio Carbonari inicia programação de eventos da Seg News com Workshop sobre Lucros Cessantes na 5a Feira!

January 14, 2020

MAG Seguros: a nova marca da Mongeral para o Futuro!

January 12, 2020

Workshops de Lucros Cessantes, Análise de Balanços Financeiros e Seguro Garantia serão realizados no Hotel La Residence!

December 30, 2019

STF suspende efeito de MP que extinguiu Seguro DPVAT

December 20, 2019

1/4
Please reload

Agência Seg News - Com informação suas decisões são mais seguras @2019 Todos os direitos reservados

Rua Fritz Muller, 140 - São Paulo-SP Cep 02634-080   -  WhatsApp: 95794-6570   -  Tel 2278-1774