Agência Seg News - Com informação suas decisões são mais seguras @2019 Todos os direitos reservados

Rua Fritz Muller, 140 - São Paulo-SP Cep 02634-080   -  WhatsApp: 95794-6570   -  Tel 2278-1774

Cultura de litigância impede maior uso da mediação e arbitragem no seguro

12/12/2018

A lentidão da Justiça e os altos custos dos processos judiciais deveriam motivar a procura por meios alternativos de resolução de conflitos, como a mediação e a arbitragem. Porém, na prática, não é isso o que ocorre. Na avaliação da presidente da Comissão de Direito Securitário da OAB-SP e sócia da Schalch Sociedade de Advogados, Debora Schalch, uma das razões para a preferência pela justiça comum está na cultura de litigância dos brasileiros. “O Judiciário deveria ser a última porta a se bater, porque a conta é alta”, diz.

 

Segundo a advogada, às vezes, um conflito pode até ser causa ganha na justiça, mas se a sentença demorar, por exemplo, entre dez e 20 anos, o valor será outro. Na sua participação no I Seminário SegNews Arbitragem e Mediação em Seguros, promovido pela Agência SegNews, no dia 6 de dezembro, em São Paulo, Debora Schalch apresentou as principais características desses meios de resolução de conflitos e as suas vantagens e benefícios, especialmente para o seguro.

 

Mediação - O mediador é um terceiro imparcial sem poder decisório, que atuará, preferencialmente, em conflitos em que houver vínculo anterior entre as partes. Debora Schalch acrescenta que o objetivo é estimular as partes a chegarem a um consenso. Daí porque as principais características do mediador devem ser a neutralidade, credibilidade, independência, competência, ética, cordialidade e paciência.

 

Um dos princípios norteadores da mediação é a confidencialidade. “Nenhuma informação pode ser levada a terceiros e tampouco ao processo judicial”, diz. No entanto, o termo final da mediação, na hipótese de celebração de acordo, deve ser homologado pela justiça para se tornar título executivo judicial. No âmbito da administração pública, a Lei 13.140/2015 estabelece o uso da mediação antes de se recorrer à justiça para solucionar controvérsias.

 

A mediação apresenta algumas vantagens em relação a outros meios. A advogada aponta o menor custo, a rapidez, o controle das partes sobre os procedimentos, a confidencialidade e a flexibilidade e informalidade. Outro benefício é a capacidade de aumentar as chances de restabelecimento das relações e da efetividade no cumprimento do acordo.

 

De acordo com Debora Schalch, não existe impedimento para o uso da mediação no seguro e resseguro. No seguro de automóvel, por exemplo, estima-se que a inclusão da cláusula de mediação geraria um acréscimo de apenas R$ 56,00 ao prêmio.

 

Arbitragem – Com a mesma eficácia da sentença judicial, a arbitragem é regulamentada pela Lei 9.307/1996, que foi alterada pela Lei 13.129/2015, permitindo o uso na administração pública, a possibilidade de sentença arbitral parcial e de medidas cautelares perante o Judiciário, antes da constituição do tribunal arbitral. O Código de Processo Civil permite a arbitragem, na forma da lei.

 

A arbitragem tem como princípios a autonomia da vontade das partes, a imparcialidade e a equidade. “Significa que o árbitro poderá decidir em sentido contrário à lei, sem que isto implique em vício do julgamento”, diz. Além da flexibilidade em relação à forma e ao tipo de arbitragem, as partes podem decidir se utilizarão as regras de direito e equidade, contando, ainda, com a confidencialidade, celeridade e especialidade do árbitro.

 

Debora Schalch destacou que a arbitragem pode ser utilizada no seguro e resseguro. Embora o Código de Defesa do Consumidor não reconheça a arbitragem aplicada de forma compulsória, a Lei de Arbitragem permite a partir da inclusão de cláusula compromissória no contrato, desde que haja a concordância expressa do segurado. A partir desse entendimento, além dos grandes riscos, a arbitragem também poderia ser aplicada aos seguros massificados.

 

A princípio, o custo da arbitragem pode ser maior que o do Judiciário. Na Câmara Internacional de Comércio (CCI), por exemplo, uma arbitragem de R$ 10 milhões pode custar R$ 300 mil para cada parte. Mas, a celeridade e o alcance da decisão compensam, segundo a advogada. Uma ação judicial demorada pode ter repercussões financeiras, como, por exemplo, sobre as reservas das seguradoras. “Se a arbitragem entregar um resultado mais eficiente, faz sentido gastar mais dinheiro”, diz.

 

Cultura de litigância – Concluindo sua apresentação, Debora Schalch analisou por que, apesar das vantagens, a mediação e a arbitragem são pouco utilizadas no Brasil. Dentre os motivos estão o receio infundado em relação à imparcialidade dos mediadores e árbitros, os custos elevados da arbitragem e a impossibilidade de recorrer das decisões. Porém, a principal causa é a cultura de litigância, que, segundo ela, ganha reforço com a prática recorrente de se protelar uma decisão. (Fonte: Márcia Alves - Assessoria de Imprensa)

 

 

Please reload

Quinzena do Seguro .gif

Autoreguladoras: Susep disponibiliza Consulta Pública até 19 de Fevereiro

January 21, 2020

I Congresso Seg News de Tecnologia e Seguros (I CONSEGTECH) será realizado no La Residence Hotel

January 17, 2020

Declaração de Direitos de Liberdade Econômica: as novas regras se aplicam ao Mercado de Seguros regulado? Quando terão início as mudanças? O que esper...

January 15, 2020

CVG-SP está promovendo Curso de Atuária - Intensivo Férias

January 15, 2020

Bradesco Auto/RE é eleita a ‘Escolha Certa’ no segmento de automóveis pela Proteste

January 15, 2020

Fábio Carbonari inicia programação de eventos da Seg News com Workshop sobre Lucros Cessantes na 5a Feira!

January 14, 2020

MAG Seguros: a nova marca da Mongeral para o Futuro!

January 12, 2020

Workshops de Lucros Cessantes, Análise de Balanços Financeiros e Seguro Garantia serão realizados no Hotel La Residence!

December 30, 2019

STF suspende efeito de MP que extinguiu Seguro DPVAT

December 20, 2019

1/4
Please reload